Notícia

VENDE-SE

13 Dezembro 2012 [ Rui De Carvalho ]

- “Boa tarde, peço desculpa pelo atraso.” - “Não faz mal, não se preocupe. Aguarde só um momento ali na sala.” (Claro que faz, nunca chegues atrasado! Tenta sempre chegar um pouco antes, se és um bocado nervoso chega mesmo em cima da hora para não começares a pensar se vais fazer tudo certo ou não e ainda te enervares mais*) Depois de um curta espera, chega o responsável da empresa. - “Boa tarde, o meu nome é Gustavo Martins, sou psicólogo e o gestor de recursos-humanos da empresa.” - “Boa tarde, João Gomes.” – diz prontamente levantando-se do sofá onde estava sentado, e apertando-lhe a mão – [Boa! Nada mau mesmo, teres-te levantado e apresentado mostra logo algum respeito com a pessoa que te vai entrevistar. Agora aproveita e mantém o contacto visual, para demonstrar alguma confiança, e sempre com um ar natural, entusiasmado e empático (que demonstra simpatia)] - “Deseja tomar alguma coisa, um café, uma água?” - “Sim, aceito uma água. Obrigado.” (bem, bem... bebe descontraidamente ao longo da entrevista) Já sentados, começam a trocar impressões. - “Então fale-me sobre si.” - “Ora, sou criativo e gosto de fazer coisas novas. Considero-me paciente (...)” (Óptimo, mantém a postura, estás a conseguir adoptar alguma das suas posições, mas de forma natural e discreta, é bom para ele que o inconsciente dele te veja como alguém com a postura certa e com que pode contar) - “Porque enviou o curriculum para a nossa empresa? É exactamente a função que procurava?” - “Sim.” (A sério? A sério que só vais dizer isso?! Nunca te fiques apenas pelo o sim e pelo não, tenta sempre complementar a tua resposta, de modo a aproveitares a pergunta para te valorizares) - “Qual considera ter sido a sua melhor experiência profissional?” - “Epá, protantos... foi sem dúvida alguma durante o tempo que estive a trabalhar na Google!” (Ok, valorizares-te sim, mas mentir não! E que coisa foi aquela ali no início?) - “Bom... Vamos prosseguir. Quais são os seus objectivos a curto e a longo prazo?” - “A nível pessoal procuro instalar-me numa grande cidade como Lisboa, Madrid, Londres, para poder estar mais próximo da cultura, poder com mais facilidade ir a peças teatro, exposições, conferências, e estar sempre mais actualizado (...) a nível profissional, procuro trabalhar numa empresa dentro marketing digital e que tenha fortes clientes como Olá, Coca-Cola... e que ao mesmo tempo me proporcione uma evolução na carreira bem como profissional integrando uma equipa multidisciplinar.” (Bom... estou impressionado. Não podia ter sido melhor, acabas de mostrar que és uma pessoa dinâmica, adaptável, que procura estar em constante evolução, bem como demonstras um profundo conhecimento da empresa ao referenciares o mercado com que trabalha e o seu próprio sistema de funcionamento) A entrevista continuou e foi confrontado com as perguntas de sempre: “Qual foi a decisão mais difícil que tomou?”, “Aguenta bem a pressão e tem capacidade de cumprir prazos curtos?”, respondendo objectivamente e sem rodeios, demonstrando firmeza e capacidade de resolver os desafios e problemas, sem o risco de bloquear e não conseguir cumprir os objectivos. E o entrevistador continuou: “Quais os seus pontos fracos?”, ao que João respondeu a ‘lenga-lenga’ de sempre, exagerando algumas das suas virtudes, “sou perfeccionista demais, exigente demais”, até que... ... chegou a pergunta que todos temem (ou pelo menos deviam temer, não depois da explicação. Vá, não interessa) - “Quanto quer ganhar?” - “1200 euros, limpos. Para mim.” (Por vezes é difícil, mas devias ter tentado contornar a questão de modo a nunca referires um valor certo, dizias por exemplo, caso trabalhes, neste momento ganho 900 euros com estas determinadas regalias e procuro neste momento melhores condições) Depois de esclarecidas mais algumas dúvidas. - “É tudo então. Dentro de uma semana damos-lhe uma resposta.” - “...” (vá não te deixes adormecer, ainda não acabou, ele ainda te está a observar!) - “Ok, muito obrigado pela oportunidade!” – e saiu com um genuíno (puro/verdadeiro) sorriso de agradecimento ao responsável da empresa – Obrigado Ruca Colaborador, Academo. * caso o entrevistador acabe por demorar, ainda menos razões tens para estar nervoso, porque é já ele que está a falhar com a hora marcada :)